Armazenamento

Thunderbolt 3: a taxa de transferência é realmente maior?

Thunderbolt 3
Escrito por HD Store

Desde que surgiu, a tecnologia Thunderbolt sempre se destacou pela incrível velocidade na transmissão de dados. Mas, com a grande popularidade e as recentes melhorias da porta USB, parecia que o Thunderbolt estava fadado ao fracasso.

Essa sensação mudou há dois anos, com a chegada do Thunderbolt 3. Além de uma velocidade ainda maior, o padrão enfim encontrou o rumo certo quando pegou emprestado uma característica fundamental da concorrência: o formato do conector.

Antes de detalharmos as maravilhas do Thunderbolt 3, que tal saber um pouco mais sobre as origens e a evolução dessa tecnologia? Confira o post que preparamos!

A história do Thunderbolt

Nem parece, mas já faz quase uma década que a Intel revelou ao mundo a inovadora tecnologia Light Peak. Nunca ouviu falar nela? Esse foi o primeiro nome do padrão Thunderbolt!

A ideia era desenvolver “um cabo para tudo”, que solucionasse de maneira elegante as tarefas de transferência de dados, carga de energia e reprodução de vídeos em alta definição. Surpreendentemente, eles conseguiram cumprir a promessa.

Tipos de Conexões

Thunderbolt 1

A primeira versão do Thunderbolt chegou em fevereiro de 2011 e pegou todo mundo de surpresa, pois foi lançada junto com a nova geração do MacBook Pro, da Apple. Em uma época em que o padrão predominante era o USB 2.0, cuja velocidade máxima de transmissão de dados é de 480 Mbps, o Thunderbolt assombrou a todos com seus estupendos 10 Gbps de velocidade.

É verdade que, naquela altura, o USB 3.0 já estava disponível. Todavia, mesmo ele não era páreo para a nova tecnologia: atingia no máximo 5 Gbps. Além disso, diferente do USB, o tráfego de dados no Thunderbolt era bidirecional, podendo enviar e receber informações ao mesmo tempo, sem perda de velocidade.

E, para arrematar, a nova tecnologia trazia uma inovação muito boa: a interconexão de até sete dispositivos sem a necessidade de um hub. Ou seja, qualquer aparelho ligado pelo novo padrão passava a ser parte de uma rede integrada.

Assim, por exemplo, servidores externos que usassem o Thunderbolt poderiam enviar informações a monitores e notebooks, garantindo o streaming entre os HDs externos e computadores em tempo real.

Só que, apesar de todas as qualidades, a Intel escorregou em um ponto crucial: o formato do conector. Ela optou pelo Mini DisplayPort, uma entrada muito comum nos computadores Apple — mas difícil de encontrar nos PCs. Resultado: o Thunderbolt acabou em um nicho muito restrito de usuários.

Thunderbolt 2

Em 2013, foi a vez da segunda geração da tecnologia dar as caras no mercado. A maior novidade do Thunderbolt 2 era, evidentemente, uma velocidade ainda maior: 20 Gbps. Essa marca tornava possível, por exemplo, a transmissão de vídeos em 4K sem engasgos ou perda de qualidade.

De resto, a Intel teve o bom senso de fazer a nova versão compatível com o Thunderbolt 1 — mantendo, é claro, a taxa de transferência em no máximo 10 Gbps. Mas o principal defeito da tecnologia permaneceu o mesmo: a opção pelo conector Mini DisplayPort praticamente restringiu o formato ao ecossistema dos computadores Apple, deixando de atingir o público infinitamente mais amplo dos PCs.

A chegada do padrão USB 3.1 no ano seguinte, com velocidade equivalente ao do Thunderbolt 1 e o novíssimo conector USB-C — mais moderno e compatível com o USB tradicional —, pareciam denunciar que a tecnologia Thunderbolt estava fadada a ter o mesmo destino das fracassadas portas FireWire e ExpressCard. Mas a Intel não entregaria os pontos assim tão facilmente.

Thunderbolt 3

Eis então que, em junho de 2015, fomos apresentados à terceira geração da tecnologia: o Thunderbolt 3 vinha com a monstruosa velocidade de 40 Gbps de transmissão bidirecional. Só para você ter uma ideia do poder, isso significa que ele é capaz de transferir 5 GB de dados por segundo — ou vídeos em 4K a 60 Hz para dois monitores ao mesmo tempo.

Mas ainda tinha mais: ele também era compatível com os formatos anteriores e mantinha a interconexão de dispositivos (ainda que a capacidade tivesse diminuído de sete para seis). Todavia, o Thunderbolt 3 trazia tudo isso em um novo conector: o mesmo USB-C do USB 3.1!

Não confunda o conector USB-C com o padrão USB em si: ele pode ser usado livremente em outras especificações. Por mais que tenha sido pensado como um upgrade para o conector USB tradicional, as qualidades do USB-C — como o tamanho reduzido e o plugue reversível — logo chamaram a atenção da Intel. E, com a adoção cada vez maior da porta pela indústria, não havia mesmo mais motivos para insistir na limitada Mini DisplayPort.

A mudança de conector foi o pulo do gato para a tecnologia Thunderbolt: sua disponibilidade para um público mais amplo permitiu, por exemplo, o barateamento dos cabos. Só para você ter uma noção, os cabos Thunderbolt 2 em Mini Display Port custavam, em média, 50 dólares. Já os Thunderbolt 3 saem por volta de US$ 20.

As vantagens do Thunderbolt 3

Agora que a tecnologia Thunderbolt está mais acessível, fica difícil não recomendá-la — principalmente para quem trabalha com grandes volumes de dados. O Thunderbolt 3 é, de fato, a porta mais versátil e poderosa da atualidade. A Intel demorou, mas foi resiliente o bastante para enfim conseguir entregar o “cabo que faz tudo”.

Taxa de Transferência Thunderbolt

Vejamos: além dos 40 Gbps de velocidade de transmissão de dados, temos um cabo com capacidade de reproduzir vídeos em 5K ou dois vídeos de 4K, que conta com potencial de energia de 100W e ainda é compatível com vários protocolos de conexão — o USB-C por padrão e, por meio de adaptadores, com o DisplayPort e o PCI Express.

É muito fácil identificar portas e cabos USB-C compatíveis com o Thunderbolt: eles têm o símbolo do raio, que representa a tecnologia.

Resumindo, o Thunderbolt 3 soma conveniência com velocidade. A tecnologia da Intel definitivamente veio para ficar e é séria candidata a tomar o trono do antes inabalável USB.

E você, já teve a oportunidade de usar o Thunderbolt? Se você pensa em aproveitar as vantagens dessa tecnologia — especialmente no Thunderbolt 3 — para fazer backups com velocidade e segurança, confira as soluções de armazenamento compatíveis em nossa loja virtual!

Sobre o autor

HD Store

Deixar comentário.

Share This